quinta-feira, 23 de maio de 2013

*_SÃO JOÃO BATISTA-24/06_*


 Quem foi SÃO JOÃO BATISTA ?

São João Batista, o anunciador de Cristo, nasceu na cidade de Judá a 2 a.C. até 27 d.C. Era filho de Isabel, esposa de Zacarias e prima de Maria, mãe de Jesus. Isabel haveria de dar à luz um menino, cujo nome significaria "Deus é propício". Assim foi avisado Zacarias pelo Anjo Gabriel que o visitou, anunciando a chegada do tão esperado herdeiro.

Anjo Gabriel aparece à Zacarias

Segundo a tradição, por milagre de Deus, Isabel e Zacarias; ambos de estirpe sacerdotal; geraram um filho, quando, pela idade, já nem pensavam mais que isto pudesse acontecer, uma vez que Isabel era estéril.

Maria visita sua prima Isabel

 Para a Igreja Católica, a vinda deste filho, que teve o nome de João, teve um significado maior: o de preparar a chegada de Cristo.

O nascimento do tão desejado filho: JOÃO

A educação de João foi muito influenciada pelas ações religiosas e pela vida no templo. Por falta de escola em Judá, coube a seus pais a responsabilidade de instruí-lo e de ensiná-lo a ler e a escrever.

Aos 14 anos, João é iniciado na educação nazarita, fazendo votos que incluiam: abster-se de bebidas intoxicantes, o deixar o cabelo crescer, e o não tocar nos mortos.

Os votos do jovem JOÃO
Após a morte de seus pais, João ofereceu todos os seus bens de família à irmandade nazarita, iniciando a sua preparação para aquele que se tornou um “objetivo de vida” - pregar aos gentios e admoestar os judeus, anunciando a proximidade de um “Messias” que estabeleceria o “Reino do Céu”.

João como pastor e asceta

No ano 27, João apareceu como profeta e quando iniciou sua pregação muitos chegaram a acreditar que ele era o próprio Messias. Vestia-se como os sábios eremitas essênios da época, os quais usavam uma túnica grosseira feita de pele de camelo atada a um cinto de couro; representação da liberdade, da escolha do destino de cada um. Para que se salvassem do pecado, as pessoas recebiam, por intermédio desse profeta, a ablução nas águas do rio Jordão (ato comum entre os essênios), prática chamada de batismo, razão por que passou ele a ser conhecido como João Batista.


JOÃO pregando como profeta

João não introduziu o batismo no conceito judaico, este já era uma cerimônia praticada. A inovação de João terá sido a abertura da cerimônia à conversão dos gentios, causando assim muita polêmica. Mais tarde o batismo foi adotado pelo cristianismo.

Mas, João não só anunciou e preparou a vinda do Messias, também o batizou nas águas do rio Jordão, embora se achasse “ indigno até mesmo de desatar-lhe as sandálias”, por isso assombrou-se quando Jesus pediu que o batizasse.



JOÃO, assombrado, batiza JESUS

 No momento em que Jesus saiu da água, na cerimônia do batismo, abriu-se sobre Ele uma nuvem e o Espírito Santo se manifestou através de uma pomba, não como uma pomba real, mas uma visão, algo muito pessoal entre Deus e Jesus.
Os relatos Bíblicos contam a história da voz que se ouviu, quando João batizou Jesus, dizendo “este é o Meu filho muito amado no qual ponho toda a minha complascência”.


Manifestação do espírito Santo
no Batismo de JESUS.

JESUS definiu JOÃO assim: "Ele é mais do que um profeta. Jamais surgiu entre os nascidos de uma mulher alguém maior que João Batista".

Foi depois do batismo que Jesus entendeu que começava então sua verdadeira missão. Passados de alguns meses, João foi preso na fortaleza de Maqueronte, mas, mesmo no cárcere, acompanhava os trabalhos de Jesus, fazendo perguntas por intermédio de mensageiros (Lucas 7, 19-29). João morreu degolado sob o governo do rei Herodes que, parecia temer sua liderança.

O profeta SÃO JOÃO Batista

João Batista é aclamado e reconhecido não só no catolicismo mas em muitas outras religiões como: no islamismo, no espiritismo, na umbanda sincretizado como Xângo; entre outras.

As Festas

Festas juninas, festa de São João ou festas dos santos populares são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão, que era celebrada no dia 25 de dezembro, segundo o calendário juliano (pré-gregoriano) e cristianizada na Idade Média como "festa de São João".

Festas juninas ou populares

Essas celebrações são particularmente importantes no Norte da Europa- Dinamarca, Estónia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia; mas são encontrados também na Irlanda, na Galiza, partes do Reino Unido (especialmente na Cornualha), França, Itália, Malta, Portugal, Espanha, Ucrânia, outras partes da Europa, e em outros países como Canadá, Estados Unidos, Porto Rico, Brasil e Austrália.

Origem da fogueira

Fogueiras juninas
De origem europeia, as fogueiras juninas também fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Assim como a cristianização da árvore pagã "sempre verde" em árvore de natal, a fogueira do dia de "Midsummer" (25 de dezembro) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia. Ainda hoje, a fogueira de São João é o traço comum que une todas as festas de São João em grande parte do mundo!

A visitação de Maria a Isabel
Uma lenda católica cristianizando a fogueira pagã,  afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte.

A Quadrilha

A quadrilha brasileira tem o seu nome de uma dança de salão francesa para quatro pares, a "quadrille", em voga na França entre o início do século XIX e a Primeir Guerra Mundial.

A "quadrille" veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX. Ao longo dos séculos, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções.


As grandes festas juninas nordestinas

Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta é uma dança que teve o seu maior florescimento no Brasil rural (daí o vestuário campesino), e se tornou uma dança própria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste.

Simpatias, sortes e adivinhas

O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antônio e São João, é quase familiar. Esse caráter fica bastante evidente quando se entra em contato com as simpatias, sortes, adivinhas e acalantos feitos a esses santos, principalmente as vésperas de seus dias. Leia simpatias clicando: http://magiadailha.blogspot.com/2010/06/dia-dos-namoradossimpatias2-parte.html
_____ *** _____

Compilado por geni mafra souza.

Fontes

http://www.infonet.com.br/
http://www.claretiano.edu.br/
www.portalsaofrancisco.com.br/.../dia-de-sao-joao-3.php
pt.wikipedia.org/wiki/João_Batista
pt.wikipedia.org/wiki/Festa_junina

Bibliografia Wikipedia

• A Bíblia NT – Versão dos Capuchinhos.
• Calvocoresse, Peter, Who's Who in the Bible, Londres: Penguin Books, 1988
• Cohn-Sherbok, Dan, A Concise Encyclopedia of Judaísm, Oxford: Oneworld, 1988
• Comay, Joan, Who's Who in Jewish History After the Period of the Old Testament, Londres: Weidenfeld and Nicolson, 1974
• Rolef, Susan Hattis (editora), Political Dictionary of the State of Israel, 2ª edição, Jerusalém: Jerusalem Publishing House, 1993
• Goodman, Philip, The Yom Kippur Anthology, Filadélfia: The Jewish Publication society in America 1971 (referências a Hashanah Anthology e The Shavuot Anthology, do mesmo autor).
• Greenberg, Rabi Irving, The Jewish Way, Living with the Holidays, Nova Iorque: Summit Books, 1988































4 comentários:

  1. ...João Batista foi apenas um homem, tal como nós...não é digno de louvor,celebração ou adoração.Somente Deus, o Criador de tudo e de todos é digno de todo louvor. Quem adora a criatura é maldito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr Anônimo,

      Primeiro gostaria que você se identificasse. Segundo, João Batista não foi "uma pessoa comum" mas, como está em diversas escrituras um profeta, primo de Jesus e que teve o previlégio de batiza-lo.
      Terceiro: não se trata de adorar, em nenhum momento do assunto digo isto. Trata-se de reconhecer como pessoa de Fé, Integro e que abriu caminho para a vinda de Jesus.
      Coloquei seu comentário porque respeito sua posição, mesmo que pensemos diferente e penso que amaldiçoar outros não vai nos tornar uma pessoa melhor...
      PAZ e LUZ pra você
      Gení

      Excluir
  2. Jesus Cristo te ama meu amigo!

    ResponderExcluir
  3. Sr Anônimo,

    Teve certeza que JESUS nos Ama, à todos, sem diferença; sem julgamentos; já que amou não somente os bons" mas, especilamente, os "doentes", os inimigos, as protitutas...a ponto de dar sua vida por nós!
    Gení

    ResponderExcluir