terça-feira, 25 de abril de 2017

Joseph Rudyard Kipling - Um dos maiores escritores ingleses, nascido na Índia.

Nenhum homem tem a obrigação de ser rico, 
de ser grande ou de ser sábio, 
mas todos têm o dever de ser honrados. 
   
Joseph Rudyard Kipling
Prêmio Nobel Literatura 1907

Nasceu em Bombaim (atual Mumbai), Índia, em 30/12/1865, sob o domínio do império britânico, onde o pai - respeitado professor de inglês da escola de Belas Artes - era conservador do Museu Lahore.    

Educado por uma aia indiana, aprende a língua hindu mesmo antes do inglês. Aos seis anos é levado pelos pais para a Inglaterra e deixado num internato em Southsea, fato que marcou profundamente sua vida, pelos castigos físicos ali aplicados, aos quais não estava acostumado.    

                            
Mumbai, segunda cidade da Índia, capital
e maior cidade do estado de Maharashtra

Em 1882 regressa a Índia e começa seu trabalho de jornalista. Escrevendo poemas desde jovem, foi um dos mais populares escritores de poema, romances, contos e prosa da Inglaterra, entre o final de século XIX e início do século XX.

Um dos seus livros mais famosos O Livro da Selva” (1894), conta a história do menino Mogli ou Mowgli (original), criado por lobos, que tinha como professor um urso, Baloo, foi tão importante que, Baden-Powell criador do escotismo, o usou como base para a educação de jovens de 7 a 11 anos.  Outro livro escrito para os jovens foi Capitães Intrépidos (1897).

"O Livro da Selva" ou Mogli

Depois de casado morou nos Estados Unidos, mas ao perder uma filha, volta à Inglaterra e rejeita alguns prêmios que lhe seriam oferecidos pelos ingleses.  Viaja à África em plena guerra dos Boéres, 1889. Em 1901 publica “KIM”, que para a maioria dos seus leitores, é seu melhor romance. Perde seu filho na primeira guerra mundial, o que amargurou a fase final de sua vida.

"As Histórias Assim Mesmo", publicadas em livro em 1902 e ilustradas pelo próprio autor, são histórias inventadas e contadas por Kipling aos seus filhos e a crianças amigas, ao longo de vários anos. Estes contos tornam-se clássicos da Literatura Infantil, onde mesmo nos seus escritos para adultos, tinha como elemento inspirador o exuberante e colorido panorama indiano.

KIM - 1901 -
seu melhor romance

Kipling, em 1907, recebe o Prêmio Nobel de Literatura, tornando-se o primeiro autor de língua inglesa a recebê-lo, e o mais jovem até hoje.

Foi reitor da Universidade de St. Andrews de 1922 a 1925. Faleceu em Londres em 18 de janeiro de 1936.

MOGLI está entre os grandes
clássicos de Walt Disney

Em 1967 "Mogli, a história do menino-lobo", estréia nos cinemas, como a última animação produzida pelo próprio Walter Disney, e em abril de 2016 numa nova versão em computação gráfica, assustadora para alguns, mas mais fiel a história original, segundo outros.

Poeta agnóstico, Kipling é representativo de uma época em que se afasta de Deus e se deposita as esperanças no progresso científico e no retorno à natureza.  Seu famoso poema SE” (If) escrito para seu filho em 1895, publicado em 1910, foi traduzido no Brasil por Guilherme de Almeida (entre outros).

“SE”  (IF)
                                                    Rudyard Kipling -1895 -
                                                            Tradução de Guilherme de Almeida


Se és capaz de manter tua calma, quando,
todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa.
De crer em ti quando estão todos duvidando,
e para esses, no entanto, achar uma desculpa.

Se és capaz de esperar sem te desesperares,
ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
e não parecer bom demais, nem pretensioso.

Se és capaz de pensar - sem que a isso só te atires,
de sonhar - sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires,
tratar da mesma forma a esses dois impostores.

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas,
em armadilhas as verdades que disseste
E as coisas, por que deste a vida estraçalhadas,
e refazê-las com o bem pouco que te reste.

Se és capaz de arriscar numa única parada,
tudo quanto ganhaste em toda a tua vida.
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
resignado, tornar ao ponto de partida.

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
a dar seja o que for que neles ainda existe.
E a persistir assim quando, exausto, contudo,
resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes,
e, entre Reis, não perder a naturalidade.
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
se a todos podes ser de alguma utilidade.

Se és capaz de dar, segundo por segundo,
ao minuto fatal todo valor e brilho.
Tua é a Terra com tudo o que nela existe 
e - o que ainda é muito mais –


 És um Homem, meu filho!

_____   ***   _____

Postado por Gení Mafra Souza

Fontes de pesquisa na NET.

Imagens
Deste e de outros sites da Net

Nenhum comentário:

Postar um comentário